terça-feira, 5 de outubro de 2010

Literatura demora...
gasta tempo,
dá trabalho!
Cansa feito roça!
É quebrar pedra no sol, Clarice!



“Não, não é fácil escrever. 
É duro como quebrar rochas. 
Mas voam faíscas e lascas como aço espelhados”.

Clarice Lispector




Eu digo que não é fácil...
porque, quem compreende um poeta?
quem pode desvendá-lo se não a seu modo de projetar-se no espelho do outro?
Mas não falo do ato de colocar idéias no papel, através de uma seqüência de palavras...
não falo ser difícil construir um texto...
falo do que sinti quando li esta frase de Clarice Lispector, pela primeira vez... ( Além da paixão por ela! )
senti o duro de escrever, a dor de escrever, porque é duro sentir o que se escreve, ou ver o mundo de forma tão clara que se pode escrever sobre ele!
... e se isto nasce da solidão ou se precisa de solidão, esta solidão
não deixa de ser doída... ( Olha que eu escrevo no meio da rua, vendo televisão...! só não consigo ainda escrever conversando... especialmente no nascer de um verso!!! )
Não deixa de arder como fogo!
Escrever não é fácil, pois não dá dinheiro,
pois quem escreve mesmo não está tentando explicar o mundo
mas apenas escrevê-lo!
Não é fácil escrever porque precisa de um mínimo tempo
e literatura e vida profissional não se encaixam rapidamente! Pelo menos não foi assim pra mim...
como pode uma frase, uma máxima conter em si tanto significado?...
não é fácil escrever por que este significado todo do qual a palavra é carregada
dói dentro da alma...
feito um parto... ( ! ) de tão intenso de sentido... além daquele que está vivo e escreve alguma coisa!...
Eu to explicando, né?... ou não estou conseguindo?... não, não é fácil escrever!
não é facil porque as pessoas precisam de regras e pronomes!... As pessoas precisam de vírgulas!
Escrever é compartilhar com o outro seu pensamento-sentimento-idéia... e mais: tudo o que se diz!...
'É preciso paz pra poder cantar...' ?
não, não é fácil escrever... porque escrever é muito FÓDA!
Mais Clarice:


Escrever (II)

(Clarice Lispector)


"Eu disse uma vez que escrever é uma maldição. Não me lembro por que exatamente eu o disse, e com sinceridade. Hoje repito: é uma maldição, mas uma maldição que salva.
Não estou me referindo muito a escrever para jornal. Mas escrever aquilo que eventualmente pode se transformar num conto ou num romance. É uma maldição porque obriga e arrasta como um vício penoso do qual é quase impossível se livrar, pois nada o substitui. E é uma salvação.
Salva a alma presa, salva a pessoa que se sente inútil, salva o dia que se vive e que nunca se entende a menos que se escreva.
Escrever é procurar entender, é procurar reproduzir o irreproduzível, é sentir até o último fim o sentimento que permaneceria apenas vago e sufocador. Escrever é também abençoar uma vida que não foi abençoada.
Que pena que só sei escrever quando espontaneamente a "coisa" vem. Fico assim à mercê do tempo. E, entre um verdadeiro escrever e outro, podem-se passar anos.
Lembro-me agora com saudade da dor de escrever livros. "




E do site Lendo.org Clarice Lispector - Uma flor ucraniana do Universo...
( é belo o Literatura, Café, Chantilly, e dicas para dominar o mundo! )


Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Um Ano de Versos de Fogo

Marginal é a POESIA

que te PARIU!!!!!!!!!!

Violão em Chamas...

Violão em Chamas...